TENSÃO MUSCULAR, DORES NO OMBRO E PESCOÇO: SINAIS DE CERVICALGIA

Você tem torcicolos, dores de cabeça frequentes e rigidez ao realizar os movimentos ativos do pescoço junto a dores no pescoço e ombros? Alguns ou todos esses sintomas são um alerta para a cervicalgia.

Mas o que é cervicalgia?

Para entender melhor o assunto é importante definir brevemente o que é coluna cervical e qual é sua função no corpo humano. A coluna cervical é a parte mais elevada da coluna vertebral, ela se localiza entre a base do crânio e ombros, é composta por diversas estruturas, dentre elas as vértebras, discos intervertebrais, músculos e ligamentos e tem como função principal proteção dos elementos neurais (nervos) do pescoço, sustentação da cabeça e permitir toda a mobilidade da cabeça, pescoço e mandíbula. A cervicalgia é um quadro doloroso que ocorre na coluna cervical em decorrência de uma desordem mecânica em sua estrutura e em todos os elementos conectados.

Qual é sua origem?

A dor no pescoço nem sempre vai ter um diagnóstico determinante, ela pode surgir por fatores simples, como por exemplo, ficar por muito tempo com o pescoço inclinado durante o uso de celular ou tablet, dormir em uma posição desconfortável, estar vivendo alguma situação de estresse ou ao final de um dia de muito trabalho ou estudos na frente do computador. Porém, se o quadro de dor for frequente e persistente devemos ficar atentos, pois a dor pode ser devido a algum processo inflamatório originário de um diagnóstico subjacente.

Quais são as causas da cervicalgia?

São diversas as causas da cervicalgia, dentre elas as patologias da coluna, como:

  1. Hérnia de disco;
  2. Bico de papagaio;
  3. Escolioses;
  4. Doenças reumáticas;
  5. Tumores;
  6. Artrose;
  7. Traumas;
  8. Estresse;
  9. Maus hábitos posturais.

A avaliação fisioterapêutica deve se minuciosa, pois muitas vezes a dor não é de origem cervical, mas nas estruturas a ela conectadas, um exemplo é a disfunção na ATM (a articulação temporomandibular), que é a articulação responsável pelo movimento de abrir e fechar a boca, é o encaixe da mandíbula com o resto dos ossos do crânio. A ATM está estruturalmente conectada com a coluna cervical, ligadas entre si por cadeias musculares e qualquer desarmonia no funcionamento delas pode gerar a cervicalgia.

Quais são os sintomas?

Os sintomas mais frequentes da cervicalgia são:

  1. Dor e tensão na musculatura do pescoço e cabeça;
  2. Rigidez aos realizar os movimentos do pescoço;
  3. Dor de cabeça;
  4. Tontura;
  5. Zumbidos no ouvido;
  6. Torcicolos.

Os sintomas também podem migrar para outras regiões do corpo, isso ocorre em várias patologias da coluna cervical, como por exemplo na hérnia de disco, estenose do canal vertebral e bico de papagaio, que podem comprimir ou pinçar os nervos cervicais gerando dor irradiada, dormência ou formigamento nos braços.

Como é feito o tratamento fisioterapêutico?

Inicialmente será feita uma avaliação minuciosa da coluna cervical e das estruturas a ela conectadas para determinar a causa da dor, em cima da avaliação será traçado um planejamento de tratamento que será elaborado de acordo com a necessidade do paciente. O tratamento terá, de início, como objetivo principal aliviar a dor, tensão muscular e outros sintomas. Posteriormente, a causa do problema será tratada, através de diversas técnicas manuais e exercícios funcionais, promovendo assim melhora da mobilidade, força, padrão postural e funcionalidade do paciente.

Como prevenir a cervicalgia?

A má postura pode desenvolver desequilíbrios musculares, uma dica para prevenir esses desequilíbrios é manter sempre seu corpo ativo e músculos fortes, praticando exercícios físicos e adquirindo bons hábitos como se alongar antes do trabalho.

Evite maus hábitos posturais, tais como se sentar sobre uma das pernas e com carteira no bolso, não deixe a posição do computador muito abaixo ou muito acima do campo ocular, para não gerar tensionamento da coluna cervical.

Uma das causas da cervicalgia é o tensionamento muscular devido ao estresse, adquira bons hábitos com fazer terapia, ter um boa noite de sono e evitar, se possível, situações de estresse.

Agora, a dica mais importante, não fique sentindo dor, observe com atenção esses sinais e sintomas e procure uma avaliação médica e fisioterapêutica para ser encaminhado para o melhor tratamento do seu caso.

Dra. Priscila Aparecida Bastos Nunes

CREFITO-3: 213248 – F Fisioterapeuta especializada em Terapia Manual e ATM