Saiba como identificar os sinais de atraso no desenvolvimento infantil

Muitos pais ficam aflitos quando seus filhos levam mais tempo que o esperado para sentar, andar ou comer sozinhos. Entenda quando é normal e o que pode ser um sinal de alerta.

Em primeiro lugar, devemos ter o entendimento de que um desenvolvimento neuropsicomotor saudável ocorre conforme cada faixa etária e habilidade.

Vale ressaltar também que existe uma margem para cada marco do desenvolvimento. Por exemplo: uma criança pode andar entre os 10 meses até 1 ano e 3 meses; quando esse marco não ocorre nesse período é considero um atraso no desenvolvimento.

Diante disso, os pais e o pediatra que faz o acompanhamento da criança devem se atentar aos sinais, uma vez que, com diagnóstico preciso, é possível descobrir a causa bem como escolher o tratamento correto.

QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS CAUSAS?

O atraso no desenvolvimento neuropsicomotor pode ser causado desde a concepção, quando acontecer por:

– Problemas no parto;

– Prematuridade;

– Agravos neurológicos;

– Alterações genéticas.

Mas, se acontecem após o nascimento, as causas mais comuns são:

– Doenças e traumas;

– Desnutrição;

– Traumatismo craniano;

– Fatores ambientais ou comportamentais.

QUAIS SÃO OS MARCOS DO DESENVOLVIMENTO INFANTIL?

  • Até 6 meses: sustentar a cabeça e o pescoço
  • Até 7 meses: sentar com e sem apoio
  • Entre 6 e 9 meses: arrastar-se e engatinhar
  • Entre 9 e 12 meses: ficar em pé com apoio
  • Até 18 meses: andar sem apoio
  • Entre 18 meses e 2 anos: correr e subir degraus
  • A partir dos 2 anos: falar nomes de objetos e pessoas

QUAL O PAPEL DA FISIOTERAPIA?

A fisioterapia é de suma importância nesses casos, pois irá realizar uma avaliação determinando qual fase motora a criança está e qual devem ser adquiridas (a partir do desenvolvimento neuropsicomotor normal).

Diante disso, o tratamento será determinado de acordo com cada criança no qual serão utilizadas técnicas fisioterapêuticas, estímulos sensoriais e motores associado a atividades lúdicas.

Sobretudo, o trabalho de recuperar o atraso motor de uma criança, não é somente do fisioterapeuta, e sim, um trabalho em conjunto com os pais e outros profissionais envolvidos.

Dra. Bruna Galdino
Fisioterapeuta
CREFITO-3/ 318608-F