Papel da fisioterapia no tratamento das Disfunções Temporomandibulares (DTM)

Quando falamos em região facial, muitas pessoas não sabem o que é ou têm dúvidas para diferenciar ATM e DTM.

ATM é a abreviação de articulação temporomandibular, parte do corpo humano responsável pelo movimento de abrir e fechar a boca, sendo o encaixe perfeito da mandíbula com os ossos do crânio.

Você sabe quais são as disfunções que atingem essa região?

DTM é a sigla para disfunção dessa articulação temporomandibular, caracterizada por deformidades e/ou alterações funcionais, envolvendo articulação, dentes e músculos mastigatórios. Geralmente, o sintoma mais comum é a dor.

Essas disfunções têm origem multifatorial, ou seja, podem ter diversas causas, por isso a tentativa de isolar uma causa nítida e universal nem sempre é a melhor opção.

Para tratamento conservador, dependendo do caso, recomendamos aliar medicamentos, exercícios fonoaudiólogos e acupuntura à fisioterapia.

Alguns outros tratamentos não-invasivos são o uso de aparelhos ortodônticos, placas de mordidas e a fisioterapia.

Em casos mais graves, a intervenção pode ser por meio da infiltração ou cirurgia, como a ortognática, uma técnica utilizada para corrigir alterações de crescimento das maxilas, distúrbio de mordidas, alterações articulares, respiração “apneia” e também a estética facial. 

LEIA MAIS: ALONGAMENTO ESTÁTICO X ALONGAMENTO DINÂMICO: CONHEÇA A DIFERENÇA

 

Quando é indicado começar o tratamento fisioterapêutico?

 

Antes da cirurgia. O tratamento fisioterapêutico inicia no hospital para diminuição do edema e da dor. É realizado com crioterapia, drenagem linfática manual e bandagens.

Depois do procedimento, o paciente pode apresentar algumas dificuldades como alimentação, fonação e higiene, porém todos esses cuidados são explicados pelos profissionais antes da cirurgia.

A fisioterapia ajuda na diminuição do tempo de recuperação no pós-operatório, garantindo o retorno mais rápido das atividades cotidianas.

Seguir as orientações do fisioterapeuta é imprescindível para melhorar a dor, melhorar inflamações, aderência nas cicatrizes, amplitude de movimento, sinergia muscular, mastigação e dor de cabeça causada pela tensão dos músculos da cabeça e pescoço.

Após cerca de 15 dias de pós-operatório, iniciam-se os exercícios para fortalecimento.

O tratamento para DTM é realmente essencial?

O não tratamento da DTM pode proporcionar uma evolução do quadro, que é quase sempre progressivo. Por isso, o ideal é que o tratamento seja precoce, alcançando melhores resultados.

Caso precise de orientação em relação à dores e disfunções de articulações temporomandibulares ou tenha alguma dúvida sobre o assunto, entre em contato conosco!

Dra. Juliana Cedro
CREFITO 147452-F
Fisioterapeuta especializada em Terapia Manual e ATM – Unidade de Taubaté